Senhor Mestre Engenheiro Filipe Freitas!

Posted in Presentations by FilipeFreitas on the January 12th, 2010

Desde o dia 30 de Dezembro de 2009 que me podem tratar de Senhor Mestre Engenheiro Filipe Freitas!
Este dia marca o cumular de quase 20 anos de estudo (80% da minha vida), e posso dizer que a recompensa do trabalho é uma das coisas mais agradáveis que se pode ter.

Passei por inúmeras dificuldades para chegar a este dia, tanto pessoais e financeiras, como também tive que adiar muita coisa que gostaria de ter feito, e posso dizer que uma das lições da vida de estudante é aprender a diferenciar as coisas que são realmente importantes. É certo que a nossa vida de estudante passa num instante e que é preciso gozar enquanto se pode, no entanto, esta é, talvez, a parte mais importante da vida pois é neste período que é definido o potencial para uma vida de sucesso. Uma vida de sucesso não é só um salário chorudo no final do mês, é também poder-se fazer o que se gosta todos os dias, tentar progredir e ser melhor de uma forma agradável, e o mais importante: ter possibilidades de realizar os seus desejos, por exemplo, viajar.

Foram estas as preocupações que tive e que tenho tido desde estes últimos 9 anos, desde aquele fatídico verão de 2000 em que começei a minha vida profissional com um trabalho de verão numa serralharia metalúrgica ao lado da minha casa. Finalmente com 16 anos, fui obrigado pelos meus pais a ir trabalhar para ver o que custava a vida e ver como tão pouco valiosa era a mão de obra desqualificada. O trabalho em si não era pesado, no entanto, passava o dia sujo, no barulho, rodeado de idiotas e mandriões, as tarefas nem sequer desafiavam o meu raciocínio, e não me lembro qual era o salário mínimo na altura mas eu não o recebia de certeza. Além disso, um acidente de trabalho estava ao virar de cada esquina.

Enquanto que o final das “férias” era depressivo para os meus amigos, para mim era um período de alívio em que só pensava em estudar e fugir daquela vida sem reconhecimento, prazer ou segurança financeira. Durante 3 verões assim foi. Pode ser comum os pais oferecerem prendas (por exemplo, bicicletas) aos filhos por passarem de ano ou terem boas notas, mas posso dizer que arranjarem um emprego de verão aos filhos é a melhor coisa que podem fazer. Além de abrirem os olhos aos filhos, estes crescem com estas experiências e começam cedo a construírem um currículo, e assim terem mais oportunidades no futuro. Mais ainda, os filhos aprendem ou aperfeiçoam a gestão do dinheiro que ganham, e vêm o quão facilmente este se evapora.

Por si só, estes “incentivos” não foram suficientes para me tornarem num estudante dedicado e, por isso, ainda passei por dificuldades no ensino secundário (bons tempos do Quake3..), tendo escolhido realizar o 12º em 2 anos para acabar as disciplinas em atraso e realizar os exames de ingresso para a Universidade com mais tranquilidade. Neste período, tive a sorte de conhecer a minha namorada (e futura esposa) e devido a certos factores, consegui adoptar capacidades de estudo que se tornaram nas fundações para a Universidade.

Assim, com a junção de todos estes factores, consegui atingir os os meus objectivos e ingressei no curso pretendido, na Universidade de Aveiro, juntamente com 2 vizinhos e amigos de infância. No ano seguinte, a minha namorada juntar-se-ia a mim na vida académica. Receava que não tivesse capacidade para realizar um curso superior, especialmente de engenharia, pois toda a gente vê a falta de beleza das equações e gráficos que aparecem nos quadros das salas de aulas nos filmes. Felizmente, a mente humana é uma maravilha da Natureza e é capaz de se adaptar a tudo, e rapidamente me apercebi que não havia razões para recear falhar.

O meu ano de caloiro foi um ano cheio de experiências, alegrias e poucas desilusões. Pode não parecer (devido às palhaçadas), mas as praxes têm razão de ser e são muito importantes para o resto do curso. É nas praxes que conhecemos os nossos colegas e formamos laços de amizade, muito importantes para entre-ajuda durante o curso. Muitas vezes troquei informações preciosas sobre trabalhos ou testes pelo MSN (com professores também!).

Muitos estudantes queixam-se que a maior parte das cadeiras dos cursos são pouco objectivas, ou mesmo inúteis, e que a matéria aprendida será rapdimente esquecida e nunca será utilizada. Com um curso concluído e já a trabalhar há algum tempo, posso dizer que a matéria é a coisa menos importante que se pode aprender na Universidade. O objectivo da Universidade é aprender três coisas: aprender a aprender, gerir tempo, e trabalhar em equipa. Estas são as ferramentas essenciais para enfrentar os desafios de um emprego. Mudar totalmente de área de conhecimento entre semestres? É mudar de projecto no emprego. Ter algumas semanas para estudar para vários exames? É conseguir atingir os objectivos no emprego a tempo e horas. Fazer um trabalho de grupo numa cadeira? É fazer parte de uma equipa de trabalho no emprego. A Universidade é, assim, como se aprende, e não o que se aprende.

Durante a Universidade, é possível realizar parte do curso no estrangeiro com apoio financeiro (Erasmus). Apesar de não ter realizado Erasmus, é minha opinião que é algo que todos os estudantes devem fazer pois uma experiência destas é uma oportunidade única na vida de conhecer intimamente outras linhas de vida. Digo isto, pela opinião de quem já fez, e por uma experiência próxima que tive. Após o meu 2º ano, tive a oportunidade de trabalhar um verão na Suiça (empregado de balcão numa pastelaria de uma estação ferroviária), com 2 dos meus melhores amigos e até agora foi uma das melhorias experiências que já tive. Conhecer uma cultura diferente, pessoas de todo o lado, ver paisagens e arquitecturas diferentes, conviver com amigos, explorar.. palavras não chegam para descrever tal coisa. É uma oportunidade para ver como as coisas são diferentes de onde vivemos, e voltamos cheios de ideias e com novos objectivos, e com vontade de partir explorar o resto da Europa.

Devido a não pensar muito fora do curso e já ter bastante experiência profissional (no meu caso), um estudante pouco pensa em construir um currículo desde cedo. Tudo isto mudou no 3º ano, quando um professor de uma cadeira aborrecida (peço desculpa Professor) decidiu pensar nos seus alunos e não na sua aula. Assim não deu a aula, mas sim levou os seus alunos a uma apresentação da competição internacional Imagine Cup, exclusiva para estudantes universitários, e do programa Microsoft Student Partners (MSP), também para estudantes universitários. Foi a primeira vez que tive um contacto tão directo com uma empresa, e logo uma das maiores e mais conceitudas do Mundo. Provavelmente devido a sorte, consegui muito bons resultados no Imagine Cup e fui escolhido para MSP de Aveiro, e isso marcou o início da minha obcessão em construir o melhor currículo possível para poder ter o poder de escolha quando fosse altura de procurar emprego. E consegui. O meu currículo interessou empresas como Novabase, Capgemini, PT Inovação e algumas empresas locais. É certo que um currículo não vale um emprego, mas vale uma oportunidade, e isso é algo que apenas tendo um curso não garante.

Não me posso exprimir sobre a realização de um estágio curricular, mas a realização de uma dissertação em nada se assemelha a realizar um trabalho para uma cadeira. Basicamente, é uma simulação quase real de um emprego: pouco tempo, muita coisa a fazer, muita coisa a aprender, alguém a chatear. O tempo necessário para realizar uma dissertação aumenta de forma exponencial de acordo com a aproximação do prazo de entrega e a dissertação nunca estará completamente terminada, o que é muito frustrante. Cometi o erro de deixar a maior parte da escrita para o fim, e isso significou menos disponibilidade dos meus orientadores para corrigirem e mais noitadas da minha parte (com um emprego a tempo inteiro em paralelo). Tive que fazer muitos sacrifícios pessoais, como não sair com os meus amigos ou dar pouca atenção à minha namorada, o que me custou bastante.

Assim, no dia 30 de Dezembro de 2009, acabou tudo em apenas 1 hora e com 5 pessoas: 4 jurados e eu. Tinha passado a semana anterior a treinar constantemente, ao ponto de escrever e memorizar um texto para cada slide de forma a ter um discurso fluído e garantir que não me esqueceria de nada, e desta forma estar menos nervoso durante a defesa. Isto traduziu-se em utilizar apenas 14 dos 20 minutos disponíveis. Fiquei muito desiludido com a qualificação que deram ao meu trabalho pois, apesar de estar longe de perfeito, tive muito trabalho e inovei bastante. No entanto, esta desilusão foi rapidamente conquistada pela satisfação de atingir um objectivo criado há tantos anos atrás e de verdadeiramente marcar o ponto de transição entre estudante e trabalhador.

Tudo isto para dizer que a vida é cheia de lições, desilusões, sacrifícios e muito trabalho, e que tudo nos ajuda a crescer. A minha conclusão: valeu a pena.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

-->

6 Responses to 'Senhor Mestre Engenheiro Filipe Freitas!'

Subscribe to comments with RSS or TrackBack to 'Senhor Mestre Engenheiro Filipe Freitas!'.

  1. Alex said,

    on January 12th, 2010 at 12:33 pm

    Parabéns pelo curso!
    Li o texto todo e apenas me deu mais vontade de continuar o que quero.
    Claro que agora perdi um ano da minha vida académica por ingressar no curso errado (queria era Engenharia Informática), e ingressei num curso que pensava que me ia dar possibilidade de fazer Mestrado em Engenharia. Mas tal não é possível por não haver créditos de Física.
    Podia ingressar em engenharia logo no 1º ano, mas por azar este ano o curso fechou na minha universidade (são 2 anos cá e os outros 3 no continente, o que é muito dispendioso financeiramente). Vai ter que haver um esforço, mas é isto mesmo que quero e por isso vou me dedicar totalmente.
    Só espero que um dia possa chegar a este patamar do curso e ver que valeu mesmo a pena.

  2. Sérgio Ferreira said,

    on January 12th, 2010 at 3:37 pm

    Parabéns Filipe!

    Do colega que te viu tirar o primeiro canudo no Técnico :-)

  3. Diogo said,

    on January 13th, 2010 at 12:43 pm

    Queria deixar-te os meus parabéns. E não podia concordar mais com o facto de ter uma ideia de como é o trabalho quando somos mais novos nos pode deixar boas marcas para o resto da vida.

    Além disso concordo perfeitamente que na universidade aprende-se muito, mas muito, mais a aprender do que o que realmente é ensinado. Mas vale muito a pena ;)

    Espero que o teu futuro seja cheio de boas surpresas porque realmente tu esforçaste-te por isso!

    Congrats :D


  4. on January 13th, 2010 at 5:26 pm

    Obrigado a todos pelas felicitações e comentários!
    Sérgio, penso que me estejas a confundir pois nunca frequentei um Técnico..=P


  5. on January 25th, 2010 at 12:52 pm

    Parabens Senhor Mestre Engenheiro! Felicidades Filipe! Boa sorte com tudos os teus sonhos na vida!

    Eduardo


  6. on October 6th, 2011 at 4:46 pm

    Filipe,

    Parabéns pela meta que concluiu!
    Achei muito interessante seu post e te digo que fiquei bem impressionado com suas tomadas de decisão! Não é qualquer um que consegue seguir em frente com inúmeros obstáculos que a vida impõe! E você conseguiu, chegou a um ponto que raramente alguém consegue.
    Eu também sou formado em Engenharia, porém da Computação. Me formei em 2008, porém percebi que não se trata apenas em finalizar o mestrado ou doutorado, devemos estar sempre estudando e nos aperfeiçoando… no momento estou fazendo meu MBA de gestão de empresas. Te pergunto, você irá continuar com a área acadêmica? Ou já pensou em alguma carreira em gestão? Caso já tenha pensado, maravilha, se não, sugiro que faça um MBA em empreendedorismo e siga em frente com os estudos.

    Abraços e sorte com sua vida!

    ƒelipe ƒreitas

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.