Sapo Codebits 2009: a minha experiência

Posted in Events,Presentations by FilipeFreitas on the December 8th, 2009

codebits

Tive a sorte de ter sido seleccionado para participar na edição deste ano do Sapo Codebits com a minha equipa de trabalho na PT Inovação, e foi uma experiência memóravel.

Para descrever o Codebits em poucas palavras, nunca tinha visto um evento com um ambiente tão informal e tão adequado à criatividade e, por o mais incrível que pareça, foi totalmente gratuito.

cb091

É incrível como conseguiram transformar um local vazio e inóspito que era a Cordoaria Nacional (uma antiga fábrica de cordas) para um lugar tão acolhedor e cheio de cor. O cenário tinha o tom verde, a lembrar o logótipo do Sapo, e existiam vários feixes de luz a “pintar” as paredes. Logo à entrada estava uma espécie de painel com cubos em decalque, onde em cada um deles estava projectado o avatar de algum participante. Outro padrão deste painel era o de um gradiente verde em movimento.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

Os palcos onde eram realizadas as sessões consistiam em alguns sofás confortáveis, rodeados de pufs (bean bags) coloridos. Os participantes estavam instalados em mesas redondas, ideais para trabalho em equipa, existindo um flip chart para expor visualmente as ideias. Existiam inúmeras casas de banho, que se mantiveram limpas durante todo o evento, com o único senão se situarem no exterior do edifício, portanto tínhamos que enfrentar o frio com coragem. Para os participantes desanuviarem, existiam várias Xbox’s e também uma velha máquina arcade, para matar saudades.

Existiam menos exposições do que estava à espera, mas eram exposições que valiam a pena: PT Inovação com a televisão 3D e ligação Android com Legos; Microsoft com a sua mesa táctil Surface; Caixa Mágica com o linux no Magalhães, e a Sapo com conteúdos interessantes. Seguem descrições baseadas pelo que vi, podendo, por isso estar enganado. As televisões 3D da PT Inovação existiam em duas variantes: com e sem necessidade de óculos. Na minha impressão empírica, a variante com óculos apresentava, numa televisão normal, duas imagens deslocadas uma da outra as quais os olhos e os óculos sincronizavam, dando o efeito 3D.

A variante sem óculos era uma televisão especial que não tinha os píxels do ecrã dispostos de uma forma lisa como em ecrãs normais, mas sim em decalque. É esta disposição que cria o efeito 3D pois o ângulo de visão destes píxeis cria imagens diferentes.

A ligação de dispositivos móveis Android com Legos também foi curiosa (sou culpado nesta área pois ajudei a criar o software no Android) pois demonstra que a tecnologia é cada vez mais ubíqua e interligada em todo o tipo de áreas, dando apenas a imaginar as criações possíveis. O Sapo Tek tem uma notícia acerca da exposição da PT Inovação. Fiquei um pouco desiludido com a Microsoft Surface pois, na minha opinião, possui baixa resolução e a sua execução é lenta. Porém, o conceito é muito interessante pois vi várias vezes participantes a jogarem xadrez, o que é uma demonstração que este tipo de tecnologia permite maior interacção entre humanos na utilização de novas tecnologias.

Muitas sessões não tinham interesse para mim e em outras fiquei desiludido, no entanto, tive bastante prazer nas seguintes: “Optional is required” de Brian Suda, “The Hackerspace Movement” de Mitch Altman, e “Phonegap: Mobile App Developer Zero to Hero” de Brian Leroux. O Brian Suda mostrou-nos que de coisas muito banais podem sair coisas muito criativas, e que apenas temos que abrir a mente para tal. O Mitch Altman incentivou-nos a sermos activos e criativos perante a vida, e que não conseguimos nada se estivermos parados. Falou um pouco da sua vida e de como as viagens têm inspirado muitas pessoas pelo que mundo fora que, por sua vez, criam clubes para dar asas à imaginação. Por incrível que pareça, o Mitch tem ganho a sua vida através da venda dos kits de montagem de um comando universal que desliga televisões (TV B-Gone). Foi uma personagem que admirei muito, pois era a mistura de um hippie (no bom sentido, apesar de ter metade do cabelo vermelho) com um engenheiro, e a sua força positiva durante as suas sessões era muito agradável. O Brian Leroux apresentou o Phonegap, um projecto que pretende unificar o desenvolvimento de aplicações móveis dos vários sistemas operativos e os resultados que apresentou eram impressionantes. Gostei muito do seu à-vontade a falar, permitindo-se mesmo de dizer e ter palavrões na apresentação. Pode-se dizer que não é nenhum fã do Windows Mobile.

Tanta coisa para ver dava fome, e a organização teve isso em conta, dispondo frigoríficos carregados com Red Bull e cestas de maçãs pelo recinto. Na zona das refeições tínhamos iogurtes líquidos, bananas, chocolates Mars e M&M’s, barras de cereais, e leites com chocolate. As refeições consistiam em pizza e saladas, pizzas e saladas, e ainda pizzas e saladas, e devo dizer que era bastante bom. Que outro evento oferece tanta pizza? Esta zona servia também de zona de descanso, existindo redes penduradas onde nos podíamos deitar e dormir. Ou então juntávamos pufs e dormíamos junto às nossas mesas de trabalho.

Tivémos o privilégio de ter um concerto dos Pornophonique, escolha acertada pela organização. Os Pornophonique são um grupo alemão de 2 elementos: um que toca guitarra (ou baixo, nunca soube a diferença) e outro que toca..Gameboy. Através dos sons característicos dos jogos de Gameboy, juntamente com a guitarra, eles conseguiram produzir música surpreendemente agradável.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

As últimas horas do evento estavam reservadas para a competição de projectos desenvolvidos em 24 horas. Infelizmente, não consegui encontrar parceiro portanto tive que participar sozinho, o que não foi nada fácil, além de ter que batalhar o sono. Criei um jogo semelhante ao da apanha, onde um ou vários jogadores (Cobra) têm que apanhar o Sapão. Cada jogador joga num dispositivo Android e o jogo é em tempo real e colaborativo. A localização é obtida através de um pedómetro criado a partir dos sensores do dispositivo Android. Apesar de sozinho e com muita coisa por aprender, consegui criar o jogo, apesar de ter ficado com alguns problemas. A minha apresentação perante 200 pessoas não foi conseguida pois tive problemas de bateria (o portátil desligou-se pouco antes de ser a minha vez), e problemas com o projector (portáteis Acer e projectores não combinam bem), e assim perdi segundos preciosos dos 90 segundos disponíveis. Devido à minha desconcentração resultante, tive dificuldade em começar a falar e não consegui transmitir o meu projecto ao público. Apercebi-me que falar para 10 pessoas ou 200 é a mesma coisa, pois acabamos por nos abstrair do número de pessoas no público. Apesar de me sentir desiludido com o projecto, sinto-me orgulhoso do que alcançei e penso que toda a situação foi uma boa experiência de aprendizagem.

Foram apresentados cerca de 90 projectos, todos criativos e interessantes, como um jogo em XNA onde o objectivo era roubar pufs à organização, criação de imagens tipo ASCII com avatares, um jogo criado a partir de desenhos em folhas A4, etc. Os projectos vencedores foram escolhidos conforme os votos do público, com alguma supervisão de um júri.

Como demonstração do elevado sentido de humor e informalidade do evento, tivemos direito a Rickroll recorde em Portugal por parte da organização, que nos chamou ao palco principal com o pretexto de uma surpresa. Uma observação que fiz foi que antes do vídeo, o Celso Martinho fugiu do palco a correr, talvez com medo de represálias.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

Talvez no sentido de terem menos coisa para arrumar, durante o evento, a organização foi premiando pufs aos participantes e conseguir ganhar um, não tendo vindo para casa de mãos vazias. Os projectos vencedores também ganharam pufs, além dos fantásticos prémios: Macbooks, livros O’Reilly, iPods, arduinos, teclados, etc. Dada a simplicidade dos projectos, foram prémios muito bons.

Assim, penso que o Sapo Codebits foi um grande sucesso, um evento muito interessante, uma grande experiência para alargar a mente e um bom momento de aprendizagem, tanto pessoal, como criativamente, espero poder repetir a experiência para o próximo ano. Sugiro que visitem a minha galeria de fotos deste evento: http://filipefreitas.net/gallery/v/09-12-03_09-12-05_sapo_codebits2009/, especialmente a galeria de flipcharts interessantes no fim.

As sessões foram filmadas e podem vê-las no site do evento. Acabo o relato com ligações a relatos de outros participantes: Isa Costa, João Azevedo, Carlos Martins, Rosana Couceiro, Nuno Cruz, Tiago Boldt, Carlos Rodrigues, Lenz Grimmer (orador), Josette Garcia (vendedora de livros muito simpática), Robert Nyman (orador), e Celso Martinho (organizador).

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

Duas panorâmicas que gostaria de partilhar

Posted in Photography by FilipeFreitas on the November 11th, 2009

Apenas duas panorâmicas que acho incríveis.

Tristan Shu

Cross Annecy Lake

crossannecy

Se alguma vez imaginaram qual seria a sensação de fazer parapente, agora podem sentir um pouquinho as vertigens com esta panorâmica completa em pleno voo. Clique na imagem para uma experiência interactiva.

Serge Brunier

Heaven Volt

pleinciel

A vida nas cidades não permite ver as estrelas em toda a sua glória, o que nos faz esquecer a beleza de ver estrelas. Esta panorâmica é o resultado de uma série de viagens e sessões de fotografias nocturnas, criando uma vista completa do céu estrelado que envolve a Terra.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

A minha dissertação, a 10 dias da entrega

Posted in News,Presentations by FilipeFreitas on the October 30th, 2009

Penso que estes últimos tempos foram o período onde senti mais pressão na minha vida, período talvez apenas igualado pela época de exames do 12º ano. Durante a realização da dissertação, acabei por me habituar à situação de surgir sempre alguma coisa para fazer quando se pensa ter terminado uma tarefa, pois desde Junho que tenho pensado “para a próxima acabo finalmente” semana após semana. Vendo a demora que os meus orientadores demoram a analisar cada entrega da dissertação, capítulo a capítulo, nos últimos meses tenho ignorado tudo e mais alguma coisa para conseguir acabar a tempo, e um emprego a tempo inteiro desde Setembro não tem ajudado.

Nesta última semana, acelerei o processo de uma forma simples: não dormir. Ou quase. Tenho dormido cerca de 4 a 6 horas por noite, com o objectivo de poder dar aos meus orientadores um fim de semana e um pouco da próxima semana para darem a sua penúltima opinião acerca da dissertação, reservando o próximo fim de semana para alterações de última hora. Tem sido um período difícil para mim, tanto a nível físico como a nível pessoal, não vendo alguns amigos há muito tempo e não estar o suficiente com a minha namorada, mas acredito que o esforço valeu a pena, acabando a dissertação com uma antecipação razoável, sendo também o culminar da minha vida de estudante.

Devo dizer que realizei a minha dissertação com grande autonomia, tanto pessoal como a nível de material, e o desenvolvimento foi efectuado num portátil com já 4 anos de existência: um leitor de dvd a menos, leitor de cartões morto e a ventoinha a morrer, um ecrã meio apagado e com manchas, marcas de utilização por todo o portátil. Enfim, este portatil foi o meu companheiro durante todo o meu curso e nunca esquecerei os momentos que o tive que carregar às costas constantemente.

A apresentação será realizada até 31 de Dezembro, mas espero que me dêm umas boas férias antes! Tem-se acumulado uma quantidade incrível de séries e filmes para ver, e tenho que começar a escoar antes que os meus discos fiquem cheios.

Gostaria de pedir pedir dicas e sugestões acerca da minha dissertação, que podem descarregar no seguinte endereço: http://www.filipefreitas.net/stuff/diss.pdf .

PS – A dissertação não está verdadeiramente completa: faltam os agradecimentos e um anexo.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

Pequena novidade

Posted in News by FilipeFreitas on the September 30th, 2009

ptinov

Uma pequena novidade!..

Na PT Inovação de Aveiro, investigo a plataforma Google Android, no departamento de Investigação Aplicada e Disseminação do Conhecimento (IAD).

Emprego já está, falta acabar a dissertação..

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

1º Emprego: decisões difícieis

Posted in News by FilipeFreitas on the July 18th, 2009

Encontro-me novamente numa fase que apenas consigo relacionar com a escolha do agrupamento para o ensino secundário. Sou finalista em mestrado informático e está na altura de procurar emprego. Já tive várias entrevistas e propostas, no entanto, nenhuma delas aliciante ao ponto de dizer ‘sim’ na hora.

Sendo o 1º emprego, é o emprego que nos lança no mundo do trabalho, aquele que nos definirá durante anos a seguir, aquele onde aprenderemos tudo o que não aprendemos na universidade (ou seja, tudo), e deste dependerá a facilidade de procura e qualidade do emprego seguinte – o emprego mais duradouro.

Sendo uma pessoa ambiciosa e tendo alguma possibilidade de escolha, a minha grande dúvida é: que emprego me permitirá subir mais na carreira e me permitirá uma grande vida? Lógicamente, uma empresa de grande nível poderá preencher estes requisitos. Sou de Aveiro e aqui existem várias pequenas empresas que trabalham com a PT Inovação (candidatei-me também à PT Inovação e já lá tive entrevista, no entanto, não fiquei com grande esperança). Aceitar uma posição em Aveiro numa empresa pequena significaria que poderia continuar a usufruir do conforto da casa dos meus pais e assim poupar dinheiro. No entanto, que possibilidades de crescimento poderia ter num ambiente tão pequeno? Além disso, todas essas empresas apenas propõem estágios, o que significa um salário relativamente baixo e também a curto prazo (no entanto, o objectivo é sempre manter os bons profissionais).

O outro caminho a tomar, é um emprego num grande centro empresarial, como o Porto ou Lisboa, em empresas como a Novabase, o que significaria muitas mudanças e sacrifícios a níveis pessoal e financeiro, mas também uma grande experiência. Em empresas como a Novabase, teria espaço para crescimento e, sobretudo, aprendizagem, o que é fundamental para uma carreira de sucesso.

Assim, fica a escolha para os meus leitores: emprego em Lisboa/Porto, com custos financeiros e pessoais, ou emprego em Aveiro, sem custos pessoais e pouca oportunidade de crescimento?

Emprego com maior potencial:

View Results

Loading ... Loading ...

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

CMU-Portugal: Economy 3.0, a minha experiência

Posted in Events by FilipeFreitas on the July 2nd, 2009

cmp

Assisti à conferência “Economy 3.0: Reboot and Reconnect“, a primeira conferência anual da parceria entre a Universidade de Carnegie Mellon e várias universidades Portuguesas, que se realizou no Palácio da Bolsa, no Porto, no dia 22 de Junho. A conferência contou com presenças de vários ilustres como Mariano Gago e José Sócrates, assim como vários membros de universidades portuguesas e da Carnegie Mellon. O meu orientador de tese de mestrado, João Paulo Cunha (IEETA), também esteve presente no painel de oradores.

Antes de saber da conferência, já me tinha despertado o interesse para visitar o Palácio da Bolsa (panorâmicas excelentes aqui), portanto, juntei o útil ao agradável (e ao barato também, pois uma visita ao Palácio custa 3€). A existência e importância da conferência e, consequentemente, número de pessoas, permitiram que eu tivesse liberdade para tirar fotos, apesar desta acção estar proibida, segundo infografia na entraa. O Palácio da Bolsa está situado perto da zona da Ribeira do Porto, e tem um aspecto exterior imponente. Fiquei maravilhado com o seu átrio, o Pátio das Nações, tanto pela sua dimensão como pela arquitectura e decoração; é uma zona ampla de 3 andares de altura, chão está coberto de azulejos e o tecto é decorado lateralmente pelos brasões de vários países, existindo uma cúpula central que permite a iluminação natural. A escadaria, que leva os visitantes ao segundo andar, não é menos impressionante, sendo uma escadaria larga e com o tecto ornamentado com pinturas e trabalhos de escultura.

pationacoes

Aquando do check-in, foi oferecida uma mala para portátil, uma tshirt, uma pendrive de 1GB, e ainda folhetos e mapas turísticos do Porto. À hora do arranque do evento, ainda não estavam muitos participantes presentes, pelo que metade devem ter chegado com a comitiva do Sócrates.

Conforme o seu título, a conferência (programa) tinha como tema a importância da investigação e desenvolvimento nas economias:

The current financial crisis has casted some doubt on the existing economic model. Rather than re-booting the system, leaders around the world must re-connect and work towards the growth of global innovation networks, capable of providing robust and sustainable solutions for our common future. In this context, information and communication technologies have no doubt an important role to play, not only because they remove both geographic and cultural barriers, but also because they are basic building blocks in the search for technical solutions that ensure a more intelligent use of the resources of our planet.

O José Marques dos Santos (reitor da Universidade do Porto) deu o discurso inicial da conferência, seguido pelo João Barros (Director do programa CMU-Portugal), Marvin Sirbu (Prof da Carnegie Mellon), Mariano Gago (Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) e, finalmente, José Sócrates (Primeiro-Ministro). O Marvin demonstrou que a inovação e tecnologia desempenham um papel fundamental no desenvolvimento da economia e que existe uma tendência da demografia trabalhadora para pender da produção para os serviços (tal facto é visível através da deslocalização de fábricas). O ministro Mariano Gago afirmou que Portugal está no caminho correcto no que toca à investigação, onde a média de investigadores para cada 1000 trabalhadores activos tem-se aproximado da média europeia. O primeiro-ministro José Sócrates apresentou o seu Plano Tecnológico como um pacote de medidas que permitiram a Portugal tornar-se cada vez mais numa Sociedade Informação, e até gozou que a única boa notícia que teve no dia das eleições europeias foi de que uma freguesia tinha boicotado as eleições de forma a protestar contra a falta de acesso à banda larga.

socrates1

Findo o discurso do Sócrates, seguiram-se apresentações flash dos papers da parte dos alunos do programa CMU, com a audiência a apenas uma fracção da audiência do discurso do Sócrates. Penso que tal situação se deva à natureza mais política e menos científica da audiência, ou talvez à fuga antecipada para o almoço. As apresentações foram feitas inglês, e devo dizer que o inglês dos estudantes não é equivalente à qualidade da sua investigação, pois o inglês que ouvi é simplesmente horrível.

Para o almoço, eu e os meus colegas, sem conhecer o Porto, dirigimo-nos à Ribeira para procurar um restaurante onde pudéssemos comer uma refeição aceitável, tentando fugir do MacDonalds de São Bento. Por incrível que pareça, não encontrámos um restaurante que fizesse francesinhas ou a feijoada à moda do Porto, gastronomias figurantes do roteiro gastronómico oferecido na conferência.

Após o almoço, voltámos para o Palácio da Bolsa para as sessões da tarde, existindo várias sessões a decorrerem em paralelo. Escolhi a sessão de “Software Engineering for Large-Scale Dependable Systems”, que contava com oradores da Novabase, Critical Systems, PT- Sistemas de Informação, entre outros, contando aprender algo sobre sistemas operativos de tempo-real ou algo do género. Nesta sessão, levantou-se uma questão interessante sobre a programação: “Como conseguir medir a qualidade de código?”. Infelizmente, a sessão não atingiu as minhas expectativas, então fui assistir ao fim da sessão “Cyber-physical systems for ambient intelligence”, dos quais o meu orientador de tese de mestrado João Paulo Cunha fazia parte do painel de oradores, que apresentou o Vital Jacket, uma tecnologia de monitorização de sinais vitais embutida numa tshirt.

jpc

Não assisti ao resto da conferência (apenas restava uma breve discussão) pois tinha planeado efectuar um pequeno passeio por alguns monumentos do Porto. Mesmo ao lado do Palácio da Bolsa, situa-se a Igreja de São Francisco, supostamente magnífica. Digo supostamente pois a entrada custa 3.5€, uma tentativa legal de roubo, ou será que me confundiram com um turista? Sendo Português, penso que tenho direito a apreciar o património que pertence a todos nós.

Visitei novamente a Ribeira e subi para visitar a Sé do Porto. Tinha visto pelo mapa uns atalhos para não ter que subir a avenida toda até S. Bento, no entanto, mudei de ideias pelo aspecto das pessoas que passavam por essas ruelas. Chegado à Sé, fui abordado por um pedinte, também de aspecto duvidoso, que me perguntou se falava português. Respondi que não, na esperança que me deixasse em paz, no entanto, o inglês dele era impressionante, talvez melhor que o meu (deve ser da experiência de extorquir turistas).

Dirigi-me para a ponte D. Luís, que se revelou ser o ponto mais alto do meu dia (tanto intelectual como literalmente) pois, além da vista impressionante para o rio e Ribeira, a sensação de vertigem era agradavelmente significativa. A ponte D. Luís está aberta a peões e metro. Através da ponte, fui até ao Mosteiro da Serra do Pilar, onde fui presenteado por uma vista soberba do rio e da cidade do Porto.

dluis

Finalmente, apanhei o comboio de volta para Aveiro na estação General Torres. Ao todo andei 4 quilómetros a pé, e custou um pouco, mesmo para quem corre 3 quilómetros por dia (eu).

O balanço do dia foi positivo, pois reencontrei por surpresa alguns colegas da Universidade que já não via há algum tempo, contactei com pessoas ilustres (já tenho uma bela lista dos que já conheci), e explorei mais um pouco da cidade do Porto.

Gostaria de sugerir a visualização da  galeria de fotos do evento.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

To PhD, or not to PhD: vale a pena tirar Doutoramento?

Posted in Presentations by FilipeFreitas on the March 31st, 2009

academic

Estou novamente em mais uma fase em que preciso de decidir o que fazer à minha vida.

A última vez que estive nesta posição foi há uns 9 anos atrás quando tive que escolher à area de estudos do Secundário. Escolher o curso não foi difícil pois já sabia o que queria, e em Aveiro (onde vivo) existia esse curso.

Agora, quase a completar o Mestrado Integrado em Engenharia de Computadores e Telemática, preciso de decidir se hei-de continuar a estudar, começar a trabalhar, ou ambos.

Tenho oportunidade de continuar a estudar com o Doutoramento MAPi, que é um programa doutoral em Ciências de Computação, programa conjunto das Universidades de Minho, Aveiro e Porto. Não tenho interesse especial em ser Professor Universitário, se bem que com o meu CAP (Certificado de Aptidão Pedagógica) recente, seria uma carreira ao meu alcance.

Já tive uma Bolsa de Iniciação à Investigação no IEETA que durou 6 meses, e gostei da experiência, e agrada-me a ideia de um dia ser investigador a tempo inteiro.

Existe também a questão dos salários e facilidade de procura de emprego. Qual é a diferença de salário de um Doutorado em relação a um Mestre ou Licenciado? Será que os Doutorados são procurados pelas empresas? Um estudo recente aponta para que apenas 1% ou menos dos Doutorados estão desempregados, e numa visita que fiz à Nokia Siemens Networks, o professor que nos guiou na visita afirmou que Portugal tem falta de Doutorados e que há muita investigação que se faz por cá. Gostaria muito de encontrar uma oportunidade no centro de investigação de computação móvel da Microsoft (antiga Mobicomp), em Braga, e com um Doutoramento, certamente teria boas hipóteses de a conseguir.

O Doutoramento está também em competição com outros programas de formação de empresas específicas, como a Novabase e a sua Novabase Academy. Estas formações são mais práticas e preparam os formandos para trabalharem. A Novabase já me solicitou várias vezes (em que tive que recusar devido a ainda estar a terminar o meu Mestrado), o que revela que tenho hipóteses sérias no mercado de trabalho.

A outra escolha seria tirar o Doutoramento em simultâneo com um emprego, dado que o programa de aulas do Doutoramento é de apenas 2 dias por semana. Iria portanto trabalhar 3 dias por semana numa empresa que teria que permitir a minha situação. Existem empresas assim? Será que conseguiria estudar para o Doutoramento, e ter cabeça/tempo para trabalhar também?

Esta será a grande decisão que terei que tomar rapidamente. Tenho uma votação, se quiserem dar a vossa opinião sem deixarem comentário.

Melhor opção:

View Results

Loading ... Loading ...

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

Entrevista com o fotógrafo Nuno Cardal

Posted in Photography,Presentations by FilipeFreitas on the March 16th, 2009

nuno_cardal

Tive o prazer de realizar uma entrevista ao fotógrafo panorâmico Nuno Cardal, co-autor dos livros Portugal Panoramas, Lisboa Panoramas, Lisboa Iluminada, Porto Iluminado e Portugal Iluminado, todos da Quimera Editores, alguns dos quais já tinha falado antes na minha entrada sobre livros panorâmicos.

porto_iluminado1lisboa_iluminadaportugal_iluminado

O Lisboa Panoramas e o Portugal Panoramas são os primeiros (e únicos) livros de autores portugueses de que eu tenha conhecimento. Certamente poderão existir outros, que espero que os meus leitores os identifiquem com comentários.

Antes de mais, alguma informação biográfica (obtida no site da editora) sobre o Nuno Cardal.

Nascido em 1967, é licenciado em História e seguiu um percurso profissional na àrea da cultura e publicidade.
Colaborou no programa “Ponto por Ponto” da RTP, e desenvolveu a rede de vídeo-painéis de Lisboa. Como fotógrafo, além dos livros mencionados, colaborou na criação de uma enciclopédia sobre Lisboa.

Passando finalmente para a entrevista, gostaria de agradecer ao Nuno Cardal e a José Alfaro da Quimera Editores pela sua cortesia em conceder-me a entrevista.

Como começou a criar fotografias panorâmicas, e desde quando?
Penso que desde que passei a trabalhar em digital, deve ter sido em 2003.
Já era uma ideia antiga e o digital facilitou bastante. No meu primeiro livro, “Lisboa Panoramas” de 2004, já existem fotos panorâmicas.

Qual é a opinião das pessoas ao seu redor, relativamente à fotografia panorâmica?

Toda a gente gosta, pois é uma fotografia de grande impacto, em grande parte inovadora e possibilita resultados finais de grandes dimensões e pormenor.

Conseguiu influenciar positivamente alguém a criar as suas próprias fotografias?
Penso que sim, pois são várias as pessoas que me têm pedido informações.

A fotografia panorâmica, como serviço comercial, tem potencial?
Claro que sim, não contando com outros fins, já tenho vários trabalhos meus em muitas paredes particulares, e também de empresas.

Que equipamento e software usa?
A minha máquina principal é uma Canon 1Ds MarkII. Software já trabalhei com vários: Panorama Maker, PTGUI, Photoshop.

Como surgiu a ideia e possibilidade de criar um livro com este tipo de fotografia, nomeadamente os Portugal Panoramas e Lisboa Panoramas?

Pelo interesse que as fotos têm despertado, quer nos outros livros, quer em outras áreas, mas também porque permite criar algo diferente, com perspectivas novas e enquadramentos inovadores.

Existem planos para novos livros?
Sim, este ano deve sair pelo mais um livro com o mesmo formato.

Tem alguma dica, tanto a nível da fotografia em si como a nível do pós-processamento panorâmico?

Muitos trabalhos, muita experimentação, muitas asneiras e aprender com estas. Fazer o melhor trabalho possível no local da fotografia e passar menos tempo no computador.

Tem algum site ou galeria online?
Para já, só a galeria que está no site da Quimera Editores.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

Half-Life 2 em vídeo live-action!

Posted in News by FilipeFreitas on the February 14th, 2009

Uma equipa de amadores (penso eu), Purchase Brothers, recriou o mundo Half Life 2 em acção real (live action), reutilizando os sons e modelos 3D do jogo, com algumas outras ferramentas e apenas 500$ de orçamento.

Entitulada “Escape from City 17″, a história está dividida em 2 partes (onde apenas a primeira foi disponibilizada), contando a história de 2 rebeldes tentando sair da Cidade 17.

A qualidade dos efeitos especiais (tanto visual como sonora) é surpreendente, dados os recursos disponíveis, e a equipa terá mesmo tido apoio da Valve, a criadora do jogo.

Aqui fica a descrição dos autores:

Directed by The Purchase Brothers.

The Escape From City 17 short film series is an adaptation based on the Half Life computer game saga by Valve Corporation. Originally envisioned as a project to test out numerous post production techniques, as well as a spec commercial, it ballooned into a multi part series. Filmed guerilla style with no money, no time, no crew, no script, the first two episodes were made from beginning to end on a budget of $500.

O site oficial está em baixo, mas poderá visualizar o vídeo no canal oficial da equipa (recomendo vivamente ver em HD). Poderá também descarregar a versão HD (90MB). O vídeo referido está abaixo:

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

Imagens grandes contam histórias grandes

Posted in Photography by FilipeFreitas on the February 11th, 2009

Eu sou uma daquelas pessoas que gosta de apreciar fotografias pelo seu impacto psicológico, o sentimento capturado, e o sentido escondido no enquadramento.

A imprensa tem tendência a reduzir as fotos, a imprensa imprimida devido ao espaço disponível reduzido, e a imprensa online talvez à tradição de dar pouco ênfase ao conteúdo visual que acompanha o texto.

No entanto, algumas agências noticiosas já deram o salto para a grande resolução com os seus photoblogs, onde publicam regularmente sequências de fotografias relativas a um dado acontecimento, e gostaria de partilhar convosco estes photoblogs:

Estes são os que conheço, se alguém conhecer mais agradeço que deixe um comentário.

Bookmark this post: bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark bookmark

« Previous PageNext Page »